A Aquaponia e o desenvolvimento técnico de um selo

Atualizado: há 6 dias


Vivemos hoje um momento de inovações tecnológicas onde a Aquaponia, um sistema de produção de alimentos que une a aquicultura convencional com a hidroponia em um ambiente único e comum, está nascendo em nosso país de uma forma forte e estruturada.

Essa evolução tem sido intensa e constante através de um modelo associativo a Associação Brasileira de Aquaponia (ABA) que tem como foco organizar a cadeia de produção e a difundir tecnologia, traz para o mercado um selo de certificação e qualidade em Aquaponia.

Um breve histórico para entendermos as razões deste trabalho

Quando a técnica de produção sem uso do solo, conhecida como hidroponia, chegou ao Brasil ao final da década de 80 e no início dos anos 90, ela trouxe uma série de vantagens como a padronização das plantas através de nutrição em comum e pelo uso da plasticultura - o chamado cultivo protegido – inexistente nos modelos convencionais de produção de hortaliças da época. Além disso, ela também trouxe vantagens em relação à ergonomia para o trabalhador rural e a possibilidade de realizar até 13 cultivos anuais, dependendo da região e da cultura.

Naquela época a internet estava em processo de expansão havia pouco conhecimento disponível e acessível. Culturalmente, os produtores não trocavam tantas experiências como hoje, através dos canais de comunicação digitais. Assim, cada um ao seu modo, buscavam suas próprias soluções para controlar pragas e doenças em seus cultivos.

Por conta da falta de associativismo, a troca de informações levou a uma ‘perda de força’ desta categoria de produção, desencadeando no produto hidropônico sendo tratado como convencional. Algumas redes do mercado varejista não apoiaram alimentos produzidos por esta técnica, mesmo com o intenso crescimento de hidroponistas de hortaliças com nutrição diferenciada e sem o uso de quaisquer tipos de agrotóxicos.

A falta de associativismo, mesmo de um selo de qualidade, levou a categoria a uma perda destes possíveis diferenciais produtivos, colocando todo esforço de diferenciação na vala comum de produtos ‘comoditizados’ sujeitos a lei de oferta e procura, sem obter preços justos que remunerem qualquer esforço de melhoria.

Entretanto, em um mundo onde os recursos se tornam cada vez mais caros e escassos, o mercado global pede pela segurança do alimento e pela eficiência das operações respeitando processos sustentáveis. A Aquaponia, como uma produção integrada, pode oferecer os recursos necessários para o desenvolvimento da cadeia agroalimentar.

Os benefícios da Aquaponia

Produzir hortaliças, peixes ou camarões (proteínas de altíssimo valor biológico) em diferentes ambientes é uma das vantagens deste sistema. A Aquaponia possibilita a produção no campo ou mesmo dentro de centros urbanos, reduzindo a chamada ‘Pegada de Carbono’ e maximizando a utilização de todos os recursos produtivos, como nutrientes para plantas e peixes, água, energia e mão de obra.

Como citamos anteriormente, este é um momento ímpar para valorizar esse processo. Neste sistema existem conceitos processuais e métodos da agricultura biológica, através do uso de ferramentas biológicas benéficas, que tornam sinérgico este modelo de produção integrada, permitindo a produção de plantas e organismos aquáticos de forma segura e saudável. Além de resultar em alimentos de elevada densidade nutricional para os consumidores.

No entanto, essas vantagens para o meio ambiente, produtores e consumidores serão viáveis apenas se não cometermos os mesmos erros de desvalorização técnico-comercial deste tipo de produção, auxiliando também na difusão de conhecimento e no desenvolvimento da metodologia de produção que será absorvida no ambiente operacional.

O desenvolvimento da cadeia produtiva

A Aquaponia é um sistema que pode ser utilizado para consumo próprio, como pequenas produções em escolas ou centros urbanos, mas também em processos de larga escala comercial. Em ambos cenários, o alimento – plantas e organismos aquáticos – devem ser produzidos de forma segura e sustentável.

Quando olhamos para a cadeia de abastecimento comercial, sabemos que fornecedores são avaliados pelos compradores e varejos em relação as boas práticas agrícolas, rastreabilidade de alimentos e resíduos de defensivos químicos. Além disso, o cumprimento das legislações e condições da operação são extremamente importantes para gestão dos riscos e para a garantia que produtos saudáveis sejam ofertados aos consumidores.

Para isto, o mercado tem se utilizado como ferramenta de avaliação as auditorias, selos e certificações.

Para que serve um selo ou uma certificação

Diante destes desafios que o produtor enfrenta, os selos e as certificações os auxiliam como referência de organização e é uma maneira de garantir para o mercado e para os consumidores, que os pilares técnicos estão sendo seguidos no momento de produção e comercialização do produto.

Em outras palavras, cada selo que o produtor possui é o resultado de uma avaliação imparcial de suas rotinas, aprovando-as segundo uma lista de regras daquele protocolo.

Quais são os caminhos e ganhos quando se busca um selo ou uma certificação

Um dos principais benefícios para os produtores já certificados é o de eficiência e de segurança nas operações, uma vez que para se obtê-la, é necessário:

· Padronizar processos, executando-os segundo as legislações vigentes e/ou padrões técnicos reconhecidos;

· Treinar a equipe para que a atividade seja executada de forma homogênea entre os colaboradores;

· Criar uma cultura de melhoria contínua, com a correção das não-conformidades. Esta padronização e capacitação da equipe fazem com que todos saibam o que executar e como fazê-los. Trazendo então segurança para a operação, controle dos potenciais riscos e erros de processo e diminuição de desperdícios e de recursos.

Além dos benefícios citados acima, também podemos citar:

· Diante das exigências do setor, produtores que conseguem manter os padrões demandados têm a oportunidade de participação nas vendas e abertura de novos mercados;

· Profissionalização da gestão para o atendimento às legislações ambientais e trabalhistas. Propriedades certificadas têm vantagem competitiva, pois os protocolos exigem o cumprimento de toda legislação e, consequentemente, o atendimento às exigências legais;

· Redução de resíduos e poluição;

· Redução de impactos negativos à saúde do trabalhador e ao meio ambiente;

· Aumento de eficiência e melhoria na gestão da propriedade;

· Redução no custo da produção;

· Maior eficiência e melhor resposta na gestão de crises.

A Associação Brasileira de Aquaponia em parceria com a PariPassu Aplicativos Especializados, referência Nacional e Internacional em tecnologia para rastreabilidade, qualidade e certificações, está desenvolvendo a primeira certificação para Aquaponia do Brasil.

Como começar

Após o lançamento do selo de certificação para Aquaponia da ABA., que está previsto para o segundo semestre de 2022, o produtor associado poderá conhecer o protocolo e os processos que este exige. Para isto, deve-se estudar o checklist da certificação e iniciar a implantação na propriedade com o auxílio de profissionais especialistas no mercado e consultores referência, que trarão as orientações para que os processos sejam aplicados de forma correta e simplificada.

Após este período de adequações, haverá uma auditoria interna, a qual resultará em um plano de ação final para as não conformidades identificadas. Assim que o produtor sanar todos os pontos pendentes e estiver seguro de que está pronto, contrata-se a certificadora para realizar a auditoria e validação de tudo que foi realizado. Emitindo-se então, o selo de conformidade no protocolo.

O movimento promovido pela Associação Brasileira de Aquaponia unido pela experiência e atuação da PariPassu ao longo de duas décadas, auxilia na difusão de conhecimentos e uma melhor organização da cadeia produtiva, gerando maior eficiência produtiva e melhores resultados econômicos, com segurança para quem produz e para quem consome. Venha fazer parte disto conosco!

Acesse e saiba mais: www.paripassu.com.br e www.aba.org.br.


Cristiano Nicolau Psillakis

Engenheiro Agrônomo – Comissão Técnica

Associação Brasileira de Aquaponia (ABA)


Giampaolo Buso

Diretor Executivo

PariPassu Aplicativos Especializados


Heidy Ferrari Silveira Milan

Engenheira de Alimentos

PariPassu Aplicativos Especializados

79 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Estou publicando mais uma vez aqui no Blog informações que podem ajudar na disseminação da aquaponia de forma responsável e com respaldo cientifico até porque estamos trabalhando com seres vivos. Dura

A aquaponia é a modalidade de produção de alimentos com baixo consumo de água e alto aproveitamento do resíduo orgânico gerado. Portanto, é uma alternativa de produção de peixes e vegetais menos impac